Documento sem título
  Segurança Pública e Direitos Humanos
 
Documento sem título
Associação de Oficiais Militares
CESeC
Fórum Brasileiro de Segurança
Forum de Segurança Pública
Governo estadual
Guarda Municipal do Rio de Janeiro
IBCCRIM
Instituto de Advocacia Racial e Ambiental
Instituto de Filosofia e Ciências Humanas
ISP
LeMetro
NECVU
NUFEP / UFF
NUPEVI
Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro
Polícia Federal
Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro
Rede Nacional Direitos Humanos
Rio de Paz
SEAP
Viva Rio
 
 O Dia
Veja + 
 Globo On
Veja + 
Folha ONLINE
Veja + 
 
 
Documento sem título
PARETO, MOSCA E A CIRCULAÇÃO DAS ELITES


A violência e os antagonismos extremados vividos atualmente pela sociedade brasileira trazem-me à mente algo que escrevi há quinze anos*. Aí vai, resumido e adaptado:        


PARETO, MOSCA E A CIRCULAÇÃO DAS ELITES


No final do século XIX e início do século XX, questionando idéias canônicas à época, dois importantes teóricos preocupavam-se com os desacertos das "elites? ao tentar justificar o seu poder com tais idéias. A superioridade dos europeus seria uma imposição da natureza: da raça, do clima, da evolução. Refiro-me a Gaetano Mosca e Vilfredo Pareto, considerados teóricos das elites por suas concepções antidemocráticas. Cabe a referência porque, com mais de um século de diferença, ainda se observam racionalizações semelhantes entre nós, nem sempre explícitas. Esses autores empenharam-se em advertir as elites do seu tempo para a necessidade de evitar a sua desintegração por não entenderem que o poder se sustenta em outras bases. Para eles, a teoria democrática, do governo da maioria, era uma ilusão. Tanto Mosca (1939) quanto Pareto (1909) sustentaram, com base na História, que o poder está sempre nas mãos de uma minoria organizada (a "classe política?, no dizer de Mosca), cuja estabilidade dependeria de como aplicasse o que este chamou de "fórmula política?: a maneira pela qual essa "classe? procura legitimar o seu poder e a maioria é levada a aceitar a dominação.

 

Para Mosca (1939: p. 53), a alternância no poder não significa mudança da "classe política?, pois, em princípio, a alternância se dá sempre dentro da mema classe, a qual, para esse efeito, constitui um grupo homogêneo e solidário contra a maioria desorganizada e dividida. A chave para a sua estabilidade, portanto, estaria na capacidade de organização. Na mesma linha teorizou Pareto, para quem a estabilidade no poder depende igualmente de que as elites dirigentes se apliquem em ser intelectual, física e moralmente superiores às camadas populares, o que, da mesma forma, não é um dado da natureza. A definição de elite que apresenta é uma crítica contundente aos seus desvios ético-morais:  

 

"Pode haver uma aristocracia de santos ou uma aristocracia de bandoleiros, uma aristocracia dos instruídos, uma aristocracia dos criminosos e assim por diante. O conjunto das qualidades que promovem o bem-estar e a dominação de uma classe numa sociedade constitui algo que chamaremos simplesmente de elite. (p. 155)   

 

Portanto, temos aí que, mesmo num modelo autoritário como o vislumbrado por esses autores, não basta capacidade de organização. É preciso retidão ética e compromisso com a maioria para que esta seja levada a aceitar o arranjo da "fórmula política? adotada pela "classe dirigente?, o que, no Brasil, consideradas as práticas elitistas, é, no momento, uma impossibilidade. Trocando em miúdos: é preciso que a elite dê o exemplo e não cuide apenas de si, virando as costas para a maioria. O contrário é uma "fórmula? que leva inapelavelmente à sua derrocada. Mesmo para esses autores, a força e a repressão pura e simples são instrumentos débeis para a manutenção do status quo. No caso brasileiro, portanto, não se trata mais da tranquila "circulação das elites?, como diria Pareto, com "esquerda? e "direita?, vale dizer, progressistas e conservadores, saindo do mesmo estrato social. Daí, insistindo em métodos de justificação do poder caducos, como os baseados na presunção de sua superioridade etnorracial, na força do dinheiro e na força do aparato repressivo, a elite brasileira irritaria profundamente esses seus defensores. Pior, deixá-los-ia desolados ante a impossibilidade de desviá-la do abismo, valendo o raciocínio para as elites brasileiras.

 

Isto posto, não será descabido admitir a hipótese de que o quadro desolador observado no país reflete centralmente o choque da ordem tradicional, sintetizada na fórmula "Cada macaco no seu galho?, com uma ordem que a desafia, não raro com o uso da violência. Sob a antiga fórmula, o que se tinha por integração era, na verdade, uma acomodação em que cabia aos deserdados do Brasil Colônia e do Brasil Império conformarem-se, alegres, com o que lhes sobrava do arranjo. Uma acomodação tida por "natural? pelos seus beneficiários, situados nos galhos mais altos e frondosos, mas vivida com ressentimentos dissimulados pelos tradicionais prejudicados por ela, situados nos galhos secos rentes ao chão. Esse arranjo hierárquico, no entanto, não impedia que se desenvolvessem relações cordiais e cooperativas, situação que vai se alterando à medida que as carências aumentam e os despossuídos vão adquirindo consciência dos seus direitos. As demandas cidadãs se avolumam sem terem maior ressonância. A competição pelos bens materiais e simbólicos se acirra, sem que o arranjo tradicional, beneficiando desproporcionalmente as "classes dirigentes?, se alterem. As tensões aumentam, e agora, de uma integração precária, parece estar-se passando para uma real desintegração, fazendo-nos pensar que o conflito social representado por esses fatos esteja evoluindo, não para uma acomodação, mas para uma ruptura, a qual corresponderia ao que Angelina Peralva (PERALVA, 2000) entende ser um processo de "dessegregação?, processo este acentuado pela abertura democrática após o regime militar, a despeito da qual se observaria uma "continuidade autoritária?, acarretando a formação de uma contracultura marcada pela revolta. Sem rodeios: descambando para um conflito civil, entre o Estado e os grupos hegemônicos, de um lado, e os grupos discriminados, de outro.

 

No Rio de Janeiro, por exemplo, tal conflito se prenuncia nas manifestações violentas de revolta de moradores de "comunidades? com as suas condições de vida e com a forma como, a seu ver, são tratados pelo Estado, sobretudo pela seletividade com que opera o sistema policial-penal; e se depreende também da ação cada vez mais audaciosa dos bandos criminosos, os quais têm demonstrado não temerem nem a polícia nem as Forças Armadas.

 

Ora, se a justificação da hegemonia das "elites?, sobretudo da "classe política?, girar apenas em torno dos três marcos mencionados acima (a sua identidade etnorracial, o acúmulo de patrimônio e a superioridade bélica dos que estariam a seu serviço), não há por que estranhar que os grupos discriminados ? os "outros? de grandes cidades ? lutem para afirmar-se socialmente nesses mesmos marcos. As camadas populares desconfiam de que valores e crenças que insistem em inculcar-lhes na mente, como a ética do trabalho, o amor à Pátria, o temor a Deus, o primado do direito fazem parte muito mais da retórica das "elites? do que da sua prática. "Faça o que eu digo, não faça o que eu faço?!

 

Referências:  

 

MOSCA, Gaetano. The ruling class (Tradução de Elementi di Scienza Política, 1896). New York: McGraw-Hill, 1939.

PARETO, Vilfredo. Manuel d? economie politique. 1909.

PERALVA, Angelina. Violência e democracia: o paradoxo brasileiro. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

 

*(Excerto, resumido, do tópico 1.4.2 de: DA SILVA, Jorge. Violência e identidade social: um estudo comparativo sobre a atuação policial em duas comunidades no Rio de Janeiro (tese de doutorado), 2005.

 


Os conteúdos dos textos deste Site podem ser usados livremente. Pedimos, no caso, que sejam consignados os devidos créditos, com a citação do autor e da fonte.
Documento sem título
Todos os Direitos Reservados Jorge Da Silva   Desenvolvido por Clandevelop